31 de maio de 2011

Mãe, eu quero uma bateria!


Ontem, depois da escola, o Miguel chegou com a idéia: "Mãe, quero uma bateria!"
Meu primeiro pensamento foi "que legal! Eu sequer tive influencia nisso!" Porque se tivesse pra influenciá-lo a escolher um instrumento seria uma guitarra!

Bom, mas após minha primeira reação lembrei que temos um bebê em casa e lembrei do tamanho do barulho que o Miguel acompanhado por uma bateria faria, acrescente choro a esse barulho e a receita perfeita para uma enchaqueca está feita!

Poxa, mas gostei tanto do interesse dele... Quando perguntei "da onde você tirou essa idéia?" ele só me respondeu "é pra fazer assim tum-tundum-tum-tundum-pá!" o som acompanhado pelos dedinhos dele batucando na mesa. Uma graça! Meu pequeno roqueiro...

30 de maio de 2011

As novas fraldas de pano

Esse fim de semana estive na feira Baby Bum que havia comentado em um post passado. Lá me deparei com um stand de fraldas de pano. Já conhecia essas fraldas de vista, nas minhas passagens por sites gringos. Porém não sabiam que já estavam disponíveis no Brasil.

Não faz muito tempo atrás, as mães só usavam fraldas de pano em seus bebês, eu fui uma desses bebês. Mas o que havia na época eram aquelas fraldas (tipo Cremer) quadradas que eram dobradas e colocadas no bebê, fixadas por um alfinete ou fita crepe. Aí por cima se colocavam um tipo de calcinha de plástico para não vazar.

As fraldas de pano se mordenizaram. Hoje são feitas com uma camada interna de um tecido que mantém o bebê seco e camada externa anti-vazamento. Apesar do meu marido ainda duvidar da sua praticidade, estou disposta a fazer um teste.

Dados das novas fraldas:

Fralda com elásticos caseados feitos especialmente para as fraldas na medida de 1 cm de largura, na cintura e nas perninhas,  para você fechar nos botõezinhos e adaptar no bebê conforme seu crescimento, permitindo uso prolongado desde o tamanho P até o G. Camada interna de microsoft que mantém o aspecto sempre seco. Camada externa de PET . Fecho em botões com regulagem para a cintura e as coxas.

Durante os 2 primeiros anos de vida, um bebê utiliza de 3. 000  à 5. 000 fraldas descartáveis e sua decomposição pode demorar até 450 anos. Um bebê utiliza em média 124 fraldas descartáveis por mês. A escolha das fraldas de pano permite uma atitude ecológica e também uma poupança econômica, ao mesmo tempo que incentiva nossa economia local e as práticas de negócios sustentáveis, pois apenas cerca de 16 fraldas tamanho único suprem a necessidade de uso desde o bebê recém nascido até o desfralde.

Sobre as volta das fraldas de pano foram publicadas reportagens nas revistas Veja e Crescer . Confira as publicações: Revista Veja e Revista Crescer.

Existem algumas opções de fabricantes dessas fraldas, podendo também encontrar fraldas importadas. Essas são algumas opções:







Para começar vou testar comprar uma para ver se é viável trocar as descartáveis pelas de pano, ou pelo menos intercalar o uso das duas.

27 de maio de 2011

Não sei mais como amamentar!!

Quem disse que amamentar é instintivo? Ou que pelo fato de ser meu segundo filho eu já saberia como fazer? Eu mesma pensei que seria tranquilo. Estava toda confiante, dizendo pra mim mesma "eu já fiz isso, não tem segredo!". Ai que engano...

No nascimento do meu primeiro filho não fui "autorizada" a amamentar na maternidade. Eu tenho hepatite C, e os médicos não me deram alternativa, mesmo me informando que as chances de contágio pelo leite materno eram ínfimas. Mas apesar de começar a amamentação sem nenhuma instrução da parte técnica do hospital, amamentei o Miguel sem problemas. Meus bicos não racharam, ele não teve dificuldade para pegar o peito nem nada.

Agora a minha segunda experiência com amamentação foi bem mais difícil. E olha que meu filho nasceu só hà 20 dias... Tive ele numa outra maternidade, no Hospital Santa Joana, e lá tive todo o apoio que não tinha tido na primeira vez. Sobre a hepatite, a pediatra veio até o quarto falar comigo e confirmar se eu amamentaria. Eu respondi que sim, que já havia amamentado o meu primeiro filho e ele não teve nenhum problema.

Devo acrescentar que não simplesmente arrisquei amamentar meus filhos com a possibilidade de contagiá-los com o virus da hepatite C. Durante toda a amamentação do Miguel fui voluntária numa pesquisa da Faculdade de Medicina da USP, no Hospital das Clínicas, que comprovou que esse tipo de contágio não acontece. Forneci dados e amostras de sangue do meu filho para que comprovasse cientificamente esse fato.

Voltando à conversa com a pediatra do hospital, ela só me lembrou que eu só deveria interromper a amamentação no caso dos meus peitos ficassem feridos a ponto de sangrarem. A chance de contaminação nesse caso muda, já que sangue é a via de contaminação da doença. Continuei tranquila, até que a amamentação começou a ser dolorida. E um pouco mais tarde ficou muito doloroso. Tão doloroso que eu ficava muito nervosa na hora do Nicholas pegar o peito, pois eu já sabia que ia doer muito!!

Ele não sugava simplesmente, ele mordia com suas gengivas. Não menospreze as gengivas de um bebê! rs No fim da mamada meu bico saia achatado e muito dolorido. Desde o hospital passei pomada de Lanolina para ajudar na cicatrização, mas a pomada não foi suficiente para evitar que meus bicos ficassem machucados a ponto de eu não poder amamentar. Logo nos primeiros dias percebi que o peito direito estava rachado e parei de dar esse peito. Fui então obrigada a dar a fórmula para ele.

Dar a fórmula nunca foi minha intenção, pelo menos não enquanto eu estivesse de licença maternidade. Mas para a segurança dele não tive opção. Fique com receio de dar a mamadeira. Ele mamava desesperadamente na mamadeira, parecia que ia se afogar, sugava e terminava muito rápido. Eu não continha meu medo e tirava a mamadeira da boca dele antes que ele terminasse, para que ele pudesse parar e respirar um pouco e, se possível, arrotar antes de continuar.

Para complicar minha cabeça toda vez que ele tomava mamadeira começava a pescar, e no fim caia num sono profundo. Era difícil de acordá-lo depois de uma mamadeirada. Mas no meu peito, ele adormacia sim, mas num sono super leve, qualquer movimento o fazia acordar e a voltar a abocanhar meu peito, não tendo fim nunca a amamentação. Isso nos faz cair naquelas ideias que sabemos não serem verdadeiras, mas mesmo assim pensamos nelas: será que meu leite tá pouco? Será que o leite está fraco? Será que ele está me fazendo de chupeta?

Ou o Nicholas está dormindo, ou chorando pelas cólicas, ou querendo mamar, mesmo que tenha acabado de mamar! Segundo especialistas ele deve mamar a cada 2h30 ou 3hs, mas meu filho demonstra vontade de mamar a cada hora! Mal pego ele no colo e ele vira a boquinha pro meu peito e se desespera. O pediatra diz que devo dar a chupeta, algo que queria evitar. Mas mesmo tentando, o rapazinho não pega! Moral da história: estou amamentando sempre que percebo que ele quer mamar...

Lembrando que ele está apenas na terceira semana de vida, ainda pretendo organizar essas mamadas. Mas fui surpreendida com o fato de não saber amamentar!!

24 de maio de 2011

Protetor de berço: monstrinhos

Protetores de berço com estapa moderna não são fáceis de se encontrar no Brasil. Em sua grande maioria, as lojas dispõem sempre dos mesmos temas (ursinho, cachorrinho, selva, pipa, etc.).

Adorei esse modelo de monstrinhos, da Nid de Petits, onde você pode comprar toda a coleção ou conhecer as outras opções disponíveis.

 




22 de maio de 2011

Feira de produtos infantis Baby Bum


BABY BUM é a feira infantil de venda direta ao consumidor mais moderna e descolada de São Paulo. Nosso foco está na modernidade, novidade e criatividade dos produtos e atividades oferecidos – que incluem roupas, decoração, brinquedos, papelaria e sapatos, entre outros.

CONCEITO

Proporcionar à criança, através do seu vestuário, dos seus brinquedos, da decoração de seus ambientes, um incentivo para sua fantasia, criatividade, ousadia e bom gosto

OBJETIVO

Proporcionar ao cliente num só local, o acesso a produtos criativos, modernos, bem acabados que não são achados facilmente nas lojas de shopping. E para incentivar a criatividade e não o consumismo das crianças, enquanto suas mães compram, elas brincam nas oficinas.


Pretendo não perder essa edição! A lista de expositores é variadíssima, com vários tipos de produtos para crianças de 0 a 12 anos.

Confira mais informações no site: Baby Bum

20 de maio de 2011

Relato de parto - parto do Miguel (2006)

Venho adiando e adiando escrever esse relato, mas não posso deixar de compartilha-lo.
Essa foi minha segunda gravidez, e desde a recuperação do meu primeiro parto prometi para mim mesma que faria de tudo para ter um parto normal.

O meu primeiro parto foi uma cesárea, feita na 39ª semana, sem necessidade já que eu não havia entrado em trabalho de parto. Admito ter ficado um tanto traumatizada com o primeiro parto. Eu estava a 1 semana para a data prevista do parto do Miguel quando senti contrações. Corri para o hospital, chegando lá me disseram que eu estava com 1 dedo de dilatação. Falso alarme, fui para o hospital muito cedo. Essa deveria ter sido a resposta do médico plantonista. Porém, a resposta foi outra: "como você está aqui, vamos internar". E me internaram.

Fui colocada no soro por algum tempo. Foi no soro que sofri mais. As contrações ficaram muito fortes, e praticamente sem intervalos entre elas. Eu me contorcia de dor, tinha vontade de morder a mão do meu marido e arrancar um pedaço. Depois de um tempo no soro com as dores, implorei por algum remédio que pudesse amenizar o que eu sentia. Não sei se desligaram o soro ou se milagrosamente o Buscopan finalmente fez efeito. O fato foi que das 2 horas da manhã até as 4 horas da tarde do dia seguinte eu não senti mais nada. Nenhuma contração, nem mesmo as de Braxton Hicks. Mas continuava internada.

Fiquei horas sem nenhum parecer, ninguém me informava do que eu estava fazendo, ou o que estava esperando. Por volta das 4 horas da tarde uma enfermeira me examinou e disse: "você não está dilatando, não passa dos 4 cm de dilatação." Me disse isso e saiu. Quando alguém voltou, veio com uma maca para me levar para a sala de cirurgia. Mas também sem me dizer nada! Cheguei perdida na sala de cirurgia, ninguém se dirigia a mim, como se eu fosse um boneco ali. Colocaram a sonda na minha bexiga, me anestesiaram e fizeram a cesárea.

Já me culpei muito por não ter questionado, por não ter dito nada, por ter aceitado. Mas no momento eu não estava apta a pensar com clareza, estava num momento onde a ansiedade de ver meu filho, mais a dor, o medo, e uma montanha de sentimentos tomavam conta da situação. Demorei até para entender que aquele bebê que estavam me mostrando era meu!

O pós operatório não foi fácil. Fiquei horas esperando poder mover minhas pernas. Mas antes que pudesse levantar a cabeça passei mal e acabei vomitando na maca. Me limparam superficialmente, e só pude tomar banho no dia seguinte. O primeiro banho foi horrível! O levantar-me pela primeira vez foi penoso. Não consegui ficar ereta para chegar ao chuveiro. Tinha a impressão que cortaram uma pele da altura onde fica o estômago e costurado abaixo do meu umbigo. A sensação era de que se eu esticasse as costas iria romper os pontos. Mesmo assim fui tomar meu primeiro banho... sozinha. Nenhuma enfermeira me ajudou no banho, ou para me secar. O que tinha disponível para mim era uma cadeira de rodas com assento sanitário, assim pude tomar o banho sentada. Porém, a região do meu abdomem estava tão sensível que eu não conseguia deixar a água cair sobre ela. Não deixei sequer um enfermeiro tocar em um exame da cicatriz.

A região do corte ficou sensível por um bom tempo. Mas não foi só isso, a cicatriz ficou muito feia. Não digo isso porque tive quelóide. Se fosse apenas uma quelóide eu teria ficado "contente". O que tenho/tinha é uma cicatriz funda e uma "lombada" de gordura logo acima da cicatriz do corte. Essa gordura não é normal para a região e sempre que coloco uma calça colada dá para se notar o pequeno volume. Isso é algo que me incomoda demais.

Ao lado está a ilustração simplificada da minha cicatriz e do tal calombo que mencionei.

Estava decidida em buscar uma clínica para fazer uma mini-lipo para corrigir essa cicatriz, quando descobri que estava gravida do meu segundo filho.

O relato do meu segundo parto compartilho em breve.

16 de maio de 2011

Quarto de bebê: pequeno e aconchegante







Dica para viver em lugares pequenos com crianças: Mantenha a simplicidade! Crianças não precisam de muito para serem felizes. Ponha amor em tudo que você criar e o espaço será mais agradável e memorável.
(traduzido do site Ohdeedoh.com)

Trilha sonora: Elvis for babies

Quando o Miguel era bebê nossas noites eram embaladas pela coletânea Elvis for babies. O som é tão gostoso que era difícil não acabar dormindo junto com ele.
Agora é a vez do Nicholas e fiz questão de garantir o mesmo som para a horinha do sono dele.


Para ouvir o CD cilque aqui

9 de maio de 2011

O que fazer durante a licença maternidade

Gostaria de ser tão criativa como essa mamãe! Adele Ernesen é uma publicitária que usou seu tempo de licença maternidade para brincar com sua filha criando cenários muito divertidos onde sua filha encarna uma personagem  diferente em cada foto.







7 de maio de 2011

Feliz dia das Mães


Esse dia das mãe é mais que especial, pois ganhei o melhor presente que uma pessoa pode ganhar: um filho! E modestia parte, o  Nicolas é lindo! hehe

Feliz dia das mães para todas!!

5 de maio de 2011

Rock baby by Poppy's Closet

Adorei todas as peças!








Livro: 100 receitas para crianças inteligentes

Publicado pela Livraria Folha, esse livro promete receitas que potencializam o desenvolvimento intelectual das crianças. Pretendo conferir, já que idéias de receitas saudáveis e atrativas para meus filhos são sempre bem vindas!

Ideal para pais que desejam potencializar o desenvolvimento intelectual de seus filhos, "100 Receitas Para Crianças Inteligentes" oferece 100 pratos fáceis de fazer, preparados com ingredientes que mantêm as crianças dispostas, atentas e concentradas em suas atividades.
O livro apresenta opções saudáveis das receitas preferidas da criançada, como milk-shakes, hambúrgueres e bolos. A ideia é sempre usar ingredientes para manter a liberação de energia estável, sem os picos que os alimentos cheios de açúcar costumam causar, comprometendo o humor e o comportamento dos pequenos.
Entre sugestões para o café da manhã, almoço, lanche e jantar, está a versão chinesa do espaguete à bolonhesa chamada Chow Mein, feita com carne moída e vegetais ricos em antioxidantes.

Chow Mein



Benefícios à saúde: O shitake reforça o sistema imunológico e faz bem ao cérebro. É uma das poucas fontes alimentares de vitamina D, muito benéfica à saúde.

Rendimento: 4 porções.

Tempo de preparo e cozimento: de 15 a 20 minutos.

Conservação: conserve na geladeira por 2 dias.

Ingredientes
- 270 g de macarrão instantâneo integral
- 1 colher (chá) de óleo de gergelim
- 2 colheres (chá) de azeite
- 450 g de carne moída magra
- 1 colher (chá) de noz-moscada
- 1 dente de alho amassado
- uma pitada de sal
- 75 g de shitake fatiado
- 1 cenoura cortada em tiras ou à juliana
- 50 g de ervilha-torta aparada
- 1 pimentão vermelho fatiado
- 2 colheres (sopa) de purê de tomate
- 1 colher (sopa) de vinagre de arroz
- 75 g de brotos de feijão
- 1 cebolinha picada

Modo de preparo
1. Cozinhe o macarrão conforme as instruções da embalagem. Escorra e passe na água fria. Regue com o óleo de gergelim.
2. Aqueça o azeite na wok ou em uma frigideira grande. Acrescente a carne, a noz-moscada, o alho e o sal e refogue por 5 minutos.
3. Junte o shitake e os legumes e deixe mais 2 minutos, ou até que comecem a amolecer.
4. Adicione o purê de tomate e o vinagre de arroz e cozinhe por 4-5 minutos, até que a carne esteja cozida.
5. Acrescente o macarrão, os brotos de feijão e a cebolinha e refogue por 1-2 minutos. Sirva imediatamente.


"100 Receitas Para Crianças Inteligentes"
Autor: Christine Bailey
Editora: Publifolha
Páginas: 144
Quanto: R$ 29,90
Onde comprar: 0800-140090 ou na Livraria da Folha.

Quarto de menino






4 de maio de 2011

Faça você mesma: Cubo para bebês

A idéia veio via Spearmint Baby. Achei tão cute e fácil de fazer que resolvi tentar para meu bebê. O resultado foi esse:


O tutorial completo você pode ver no Zaabery. Segue algumas fotinhos do passo a passo:

E pronto ele fica assim:


Lindinho e simples de fazer!! Fica a dica.

2 de maio de 2011

Chá de bebê do Nicholas

Preparei a decoração do chá de bebê do meu bebê Nicholas com um kit de freebies que encontrei na internet e que achei fofíssimo. Para as caixinhas usei uma outra fonte de printable.

Marquei com minhas amigas num barzinho, onde deixei um cantinho reservado só para nós. Foi algo bem simples e gostoso.